01 a 04 de novembro


2014

IX Encontro Nacional dos Pesquisadores da Educação Especial (IX ENPEE)

Ementas dos Mini Cursos

 

Os minicursos têm duração de 6 horas, divididas entre 02, 03 e 04 de novembro.

As inscrições nos minicursos somente poderão ser realizadas após o participante efetuar o pagamento da taxa de inscrição no evento.

Assim que o pagamento for validado, o participante receberá o e-mail de confirmação do pagamento da taxa de inscrição e, em seguida, o mesmo poderá acessar o site do evento e realizar inscrição no minicurso de sua escolha.

As vagas para participação nos minicursos são limitadas.

Os certificados somente serão entregues aos participantes que tiverem 100% de presença nos minicursos.

Título Proponentes Público Alvo Ementa Vagas
A atuação do psicólogo com pessoas com deficiência: principais demandas e intervenções. Nadja Carolina de Sousa Pinheiro Caetano Estudantes de Psicologia e psicólogos Conceituação e caracterização da deficiência. Atuação do psicólogo em múltiplos contextos. Principais demandas identificadas pela literatura como pertinentes ao psicólogo na atuação com esse público. Estratégias de atuação a partir da análise funcional do comportamento. 25
A Educação Especial no Campo: Algumas questões para debate Michele Aparecida de Sá; Juliana Vechetti Mantovani; Taisa Grasiela Gomes Liduenha Gonçalves ; João Henrique da Silva Professores da educação básica, coordenadores, diretores, alunos da graduação, alunos da pós-graduação, pesquisadores. Reflexão sobre a interface da Educação Especial na Educação do Campo no contexto brasileiro. Estudos conceituais, normativos e históricos sobre a educação escolar quilombola, indígena e em assentamentos da reforma agrária. Discussão sobre aspectos normativos da educação especial na interface com a educação escolar indígena quilombola e em assentamentos da reforma agrária. 30
Abuso sexual contra pessoas com deficiência: abordagem educacional e redes de proteção na escola Windyz Brazão Ferreira Professores (escolas e universidades), educadores e profissionais de áreas afins

Definição e classificação do abuso sexual

Fatores de risco que aumentam a vulnerabilidade do sexo feminino ao abuso sexual.

Sinais que indicam que uma experiência de abuso sexual está em curso.

Procedimentos legais: conselho tutelar e denuncias.

Redes de prevenção contra o abuso sexual e proteção na escola: parceria comunidade escolar e famílias 

40
Acessibilidade Curricular para o Aluno Com Deficiência Na Educação Infantil Márcia Duarte; Ana Luiza Ferrari Silva; Jacqueline Santos de Oliveira; Melina Thais da Silva. Professores da Educação Infantil da rede regular de ensino e de instituições especializadas, graduandos de diferentes licenciaturas e interessados pela temática da inclusão de alunos público alvo da educação especial na educação infantil. Educação Infantil. Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Aluno Público-alvo da Educação Especial. Finalidades e Tipologia de adaptações curriculares. 30
Adaptação Curricular Para Alunos Com Síndrome de Down do Ensino Fundamental- Ciclo I Maria Grazia Guillen Mayer, Danúsia Cardoso Lago e Sonia M R Simioni Alunos de licenciatura em educação especial, pedagogos, gestores, educadores especiais, professores, coordenadores pedagógicos, familiares de pessoas com síndrome de Down.

Fundamentação teórica e caracterização da Síndrome de Down.

Linguagem oral e escrita nas pessoas com Síndrome de Down.

Habilidades de Leitura e Escrita em alunos com Síndrome de Down.

Legislação Educacional

Orientação quanto às atividades de adaptação curricular.

Dinâmica da sala de aula e o aluno com Síndrome de Down.

25
Adaptações curriculares voltadas para pessoas com deficiência no programa de Educação Física Escolar: enfoque no conteúdo Dança e Expressão corporal. Gustavo Haach Téo; Patricia Santos de Oliveira  Estudantes e profissionais da área da educação física, educação especial, educação e demais interessados.

- Panorama histórico da Educação Física;

- Inclusão e exclusão de alunos com deficiência no contexto da Educação Física Escolar;

- O currículo escolar;

-O conceito de adaptações curriculares;

- A construção de um currículo adaptado para alunos com deficiência em um programa de Educação Física Escolar;

-Dança e expressão corporal como componente curricular da educação física escolar,

-Fundamentação metodológica no trabalho com dança e expressão corporal na   Educação Física inclusiva;

-Aplicação de um currículo adaptado para alunos com deficiência na Educação Física Escolar.

25
Altas Habilidades ou Superdotação: Educação da Infância À Adultez Rosemeire de Araújo Rangni; Danitiele Maria Calazans; Mayra Berto Massuda; Eliane Morais de Jesus Mani; Roseli Figueiredo Corrêa de Oliveira  Educadores, estudantes e profissionais afins. No contexto inclusivo, interroga-se o atendimento aos estudantes com altas habilidades ou superdotação no sistema educacional brasileiro, apesar de ser previsto nos documentos oficiais pertinentes à Educação e Educação Especial para todos os níveis de ensino. O minicurso propõe que a identificação e o atendimento ocorram, o mais cedo possível, aos estudantes durante o período acadêmico e que possibilite que esse potencial possa ser potencializado por toda a vida. 50

Análise do Comportamento Aplicada (ABA) no manejo de problemas de comportamento em pessoas com autismo e atraso no desenvolvimento.

(ESGOTADO)

André A. B. Varella;  Mariéle Diniz Cortez estudantes, psicólogos, professores e demais profissionais que atuam na área de educação especial

Definição do que é comportamento e o que são problemas de comportamento. Conceitos básicos de Análise do Comportamento: comportamento operante, reforçamento, controle de estímulos, punição, esquemas de reforçamento. Mensuração e registro de comportamentos. Metodologias para identificar as variáveis que mantém o comportamento problema: avaliação funcional indireta, avaliação funcional descritiva, Análise Funcional Experimental do comportamento. Manejo de problemas de comportamento com base na função: intervenções antecedentes e consequentes. Considerações éticas sobre o uso de controle aversivo.

40

Análise qualitativa de dados por meio de softwares específicos.

(ESGOTADO)

Woquiton Lima Fernandes; Carolina Severino Lopes da Costa  Graduandos e Pós-Graduandos da área de humanas em fase coleta/análise de dados da pesquisa.

Visão geral sobre a análise de conteúdo;

Softwares utilizados para a análise de pesquisas qualitativas;

Exemplo da análise de uma pesquisa com uso de software;

Conhecendo os recursos disponíveis no software.

20

Apoio educacional especializado na perspectiva da Educação Inclusiva: proposta de parceria colaborativa entre professor da SRM e Ensino Comum

(ESGOTADO)

Ana Paula Zerbato; Josiane Beltrame Milanesi; Lucélia Cardoso Cavalcante Rabelo. Alunos da graduação e pós-graduação, professores do ensino comum, professores de educação especial, pesquisadores e interessados pelo tema. O mini curso propõe apresentar e discutir questões relevantes sobre os serviços de apoio à escolarização do aluno público alvo da educação especial, destacando os conceitos e a legislação referente ao atendimento educacional especializado (AEE) e sobre a proposta de ensino colaborativo como um apoio importante ao processo de inclusão escolar. Propõe, assim, fornecer subsídios teóricos que abrangem a origem, conceituações e princípios do atendimento educacional especializado, e socializar os fundamentos teórico e prático do Ensino Colaborativo como proposta de apoio aos serviços em educação especial. O papel do Professor/pesquisador Colaborador, do Professor do ensino comum e do professor sala de recursos. Descrever as etapas do Ensino Colaborativo e as forma de como desenvolver essa proposta nas escolas: instrumentos e procedimentos. Resultados de pesquisas e experiências de Ensino Colaborativo no contexto da educação especial. Apresentar possíveis habilidades de comunicação interpessoais utilizadas durante esse processo. Universidade em colaboração com as escolas: ensino colaborativo via pesquisa colaborativa 30
Aprenda a preparar alunos com deficiência visual para utilizar um computador comum com o Dosvox e o Virtual Vision Paulo Cesar turci; Maria da Piedade Resende da Costa Professores que atuam nas salas de aula do ensino regular ou no atendimento educacional especializado (AEE) para alunos com deficiência visual (DV).  Estudantes de todas as licenciaturas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e demais interessados. Conceituação de cegueira e baixa visão. Implicações da deficiência visual no processo de aquisição de conhecimentos. Estratégias pedagógicas apropriadas para ensinar alunos com DV.  Software de acessibilidade: breve histórico dos softwares de acessibilidade Dosvox e Virtual Vision; diferenças existentes entre os softwares de acessibilidade Dosvox e o Virtual Vision. Programa de ensino para o uso dos softwares de acessibilidade Dosvox e Virtual Vision ao aluno com deficiência visual. Implementação dos softwares de acessibilidade no processo educacional dos alunos com DV. 20

Autismo: intervenção multidisciplinar na casa e na escola

(ESGOTADO)

Camila Graciella Santos Gomes; Analice Dutra Silveira; Mariana Viana Gonzaga Profissionais e estudantes da área de educação e saúde.  Definição de autismo; intervenção intensiva fundamentada em análise do comportamento; capacitação de pais e cuidadores; suporte a escolarização inclusiva; adatação curricular e metodológica. 25

Autoconceito e autoeficácia em crianças com deficiência na Educação Especial: refletindo sobre crenças autorreferenciadas

CANCELADO

Alyne Kalyane Câmara de Oliveira Terapeutas ocupacionais, psicólogos e demais estudantes ou profissionais interessados, da área da educação e saúde.

Definição de crenças autorreferenciadas e conceitos relacionados, com ênfase nos constructos autoconceito e autoeficácia.

Apontamentos sobre o autoconceito e autoeficácia em crianças com deficiência.

Repercussões das crenças autorreferenciadas na aprendizagem, no comportamento e na funcionalidade infantil.

Fatores contextuais com influência sobre o desenvolvimento de tais crenças (ênfase nos pais, professores e terapeutas).

Instrumentos de avaliação e estratégias de atenção em relação ao autoconceito e autoeficácia de crianças com deficiência por profissionais na Educação Especial.

20
Brincando e aprendendo com a matemática: estratégias de ensino para alunos com deficiência intelectual Rosimeire  Maria Orlando; Aline Nathalia Marques; Rosemeire Geromini Alonso; Vanessa Cristina Angelotti  Estudantes de graduação e de pós-graduação, professores da escola comum e especial e, demais interessados em estudar o ensino da matemática através dos jogos. Aulas expositivas e dialogadas com ênfase nas discussões sobre o ensino da matemática através de jogos para crianças com deficiência intelectual na Educação Infantil. Também será feita uma apresentação de jogos que auxiliam na aprendizagem de crianças com deficiência intelectual, dos conteúdos matemáticos. Os participantes deverão refletir e sugerir jogos de baixo custo. E será feita uma aula prática em que os participantes irão confeccionar de jogos matemáticos e deverão apresentar no grupo. 25
Casos de ensino na formação de professores numa perspectiva inclusiva Saimonton Tinôco da Silva; Keisyani da Silva Santos; Viviane Preichardt Duek alunos da graduação e da pós-graduação. Aula expositiva dialogada; análise de casos de ensino. 30
Contos e Histórias como Estratégia de Ensino na Educação Especial Alice Almeida Chaves de Resende; Carla Ariela Rios Vilaronga Todo o público presente no evento Contos originais; Reconstrução de contos; Utilização de recursos lúdicos para contar histórias; Áudio- livro. 30
Deficiência Intelectual: transição para a vida adulta em ambiente universitário Betania Jacob Stange Lopes Alunos de licenciatura em educação especial, pedagogos, gestores,  educadores especiais, professores, coordenadores pedagógicos, familiares de jovens com deficiência intelectual. Fundamentação teórica e caracterização do processo de transição para a vida adulta de jovens com deficiência intelectual. Discussão sobre estratégias que contribuam com o desenvolvimento acadêmico, social, de carreira e vida independente de jovens com Deficiência Intelectual. Cooperação e a colaboração entre os envolvidos no processo de transição. Orientação quanto às atividades de adaptação curricular. Dinâmica da sala de aula e o com Deficiência Intelectual. 25
Dislexia: distúrbio, dificuldade ou modismo? Patricia de Oliveira Professores e demais profissionais voltados à educação. O mini-curso pretende apresentar os diferentes conceitos e concepções acerca da dislexia, assim como o percurso da construção destes, a fim de se promover o debate acerca dos processos de ensino e aprendizagem e desmistificar os mecanismos de expressão escrita e as relações que a criança estabelece com a linguagem escrita durante seu processo de alfabetização. 30
Educação escolar e apropriação da linguagem por crianças surdas. Diléia Aparecida Martins

Professores de crianças surdas

Pesquisadores

Intérpretes de Libras que atuam na educação básica

- Formação social da mente, pensamento e linguagem;

- Interação em língua de sinais;

- Educação escolar;

- O papel do professor;

- O papel do intérprete de Libras.

20
Educação Física e Esportes Adaptados Flávio Anderson Pedrosa de melo; David dos Santos Calheiros; Calixto Júnior de Souza Estudantes e profissionais da área da saúde e da educação.

- Aspectos conceituais acerca de Educação Física Adaptada e Esportes Adaptados;

- Panorama histórico do esporte adaptado;

- Abordagem sócio-educacional do esporte adaptado às pessoas com deficiência física;

- Classificação funcional desportiva;

- Implicações pedagógicas para o ensino dos esportes em cadeira de rodas;

- Transferências e deslocamento em cadeira de rodas;

- Fundamentos das modalidades de esportes coletivos sobre cadeiras de rodas;

-Vivência de esportes adaptados;

- Troca de experiências e depoimentos de atletas com deficiência física.

25

Elaboração de projeto de pesquisa em Educação e Educação Especial: conceitos e procedimentos introdutórios

(ESGOTADO)

Denise Marina Ramos Alunos de graduação e profissionais com interesse em desenvolver um projeto de pesquisa e que possuem pouca familiaridade com o tema. Diferentes tipos de conhecimento: senso comum e conhecimento científico. Principais características do conhecimento científico. Importância de um planejamento prévio para a atividade de investigação científica. Elaboração de um projeto de pesquisa em Educação e Educação Especial: conceitos e procedimentos introdutórios. 15
Elementos de história e filosofia das ciências para o debate epistemológico em educação. Maria Amélia Teixeira Blanco Interessados nas questões epistemológicas em educação O mini-curso vai examinar tópicos da história das ciências e analisar diferentes perspectivas em filosofia das ciências. Pretende explorar o debate metodológico e abordar as controvérsias em torno da pesquisa científica na educação especial. Divide-se em três partes: a primeira vai se dedicar às relações entre filosofia e ciência, desde o nascimento da filosofia até o lançamento da obra de Nicolau Copérnico, A revolução das órbitas celestes, de 1543. A segunda parte vai analisar o surgimento do método científico e a constituição da ciência moderna, através da física de Galileu Galilei a Isaac Newton, e finaliza com a contraposição da revolução, tanto na ciência quanto na filosofia, provocada pela Teoria da Relatividade Restrita de Einstein, em 1905. Por fim, a terceira parte pretende expor o debate epistemológico no campo educacional. 30
Ensino de conceitos matemáticos para pessoas com deficiência intelectual: uma introdução Ailton Barcelos da Costa Professores e acadêmicos da área da Educação.

Definições de deficiência intelectual;

Processo de formação de conceitos na criança deficiente intelectual;

Orientações básicas ao educador que recebe em sala de aula alunos deficientes intelectuais;

Avaliação de repertório matemático nestas crianças;

Apresentação de materiais para ensino de conceitos matemáticos básicos;

25
Estratégias para o ensino de atividades de vida na comunidade para jovens e adultos com deficiência intelectual embasada no Currículo Funcional Natural Iasmin Zanchi Boueri; Patricia Zutião  Profissionais da área da Educação Especial, envolvendo pedagogos, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais e áreas afins.

- Aspectos históricos e teóricos do Currículo Funcional Natural;

- Apresentação de programas de intervenção elaborados por meio do currículo funcional natural para o ensino de atividades de vida na comunidade;

- Apresentação de estratégias utilizadas para o ensino das atividades de: lista de mercadorias; utilização do dinheiro; e fazer compras;

- Discussão de estudos de caso e desenvolvimento de estratégias pra ensino de atividades de vida na comunidade para jovens e adultos com deficiência intelectual.

25
Formação e prática do professor alfabetizador na escola inclusiva: aspectos teóricos e práticos. Miryan Cristina Buzetti; Regiane da Silva Barbosa; Maria da Piedade R. Da Costa Alunos da graduação, professores da rede regular de ensino, professores sala de recursos, coordenador pedagógico, diretores. Levantar aspectos da formação inicial e continuada de professores que podem contribuir com o ensino e a aprendizagem de leitura e escrita aos alunos incluídos na rede regular, refletindo seu saber fazer discutindo as experiências dos participantes e apresentando pesquisas bem sucedidas na área e com base nos conceitos estudados desenvolver junto aos participantes sugestões de atividades para o ensino de leitura e escrita voltadas ao referido aluno. 30
Inclusão escolar: o goalball como estratégia Mey de Abreu Van Munster; Camila de Moura Costa. Professores da rede regular de ensino, pesquisadores e estudantes que tenham interesse sobre aspectos relacionados a inclusão escolar. Introdução a inclusão escolar e seus aspectos. Conceituação, caracterização do goalball e estabelecimento de relações entre o goalball e a inclusão escolar, através de participação em atividade práticas e reflexões em grupo. 20
Inclusão na Educação Infantil: um desafio para o professor ou uma receita a ser seguida? Allyne Cristina dos Santos; Carolina de Almeida; Maria da Piedade Resende da Costa Alunos de graduação e pós graduação, professores da rede municipal e particular de ensino, interessados pela temática. Contextualização sobre a Educação Especial e Educação Infantil no contexto brasileiro; propostas de atividades adaptadas para crianças do público alvo da educação especial. 20
Interação criança com deficiência visual-cuidador: implicações para o desenvolvimento Alessandra Corne Canosa; Natália Sertori; Milena Gandolfine. Professores e acadêmicos da área da Educação, psicologia e profissionais da saúde.

Definições de deficiência visual;

Caracterização do desenvolvimento da criança com deficiência visual

Interação cuidador-criança com deficiência visual e as possíveis implicações para o desenvolvimento (apresentação de estudos);

Estratégias alternativas de interação cuidador-criança com deficiência visual

Orientações básicas a educadores e cuidadores para interação com crianças com deficiência visual.

25
Intervenção em Equoterapia Gardenia de Oliveira Barbosa;  Estudantes e profissionais da educação especial, educação e saúde. Principais conceitos acerca da equoterapia, os tipos de andaduras do cavalo, o movimento tridimensional do cavalo, os programas existentes na equoterapia, atuação de diferentes profissionais na equoterapia, como atuar com o praticante de equoterapia com as mais diversas necessidades especiais, como atividade que demanda articulação entre elaboração e sistematização de ideias. 30
Letramento e gêneros textuais no trabalho com deficientes intelectuais Gizeli Aparecida Ribeiro de Alencar; Viviane Gislaine Caetano Auada  Acadêmicos das diversas licenciaturas, professores do ensino fundamental e demais interessados. Gêneros e tipos textuais. A descrição dos gêneros e dos tipos textuais. Os gêneros textuais no Ensino Fundamental. O trabalho com a fábula e sua conversão em outros gêneros textuais. 25
Método fônico de alfabetização na sala de recursos Anaí Cristina da Luz Stelmachuk; Viviane Rodrigues  Professores  Introdução e caracterização do método fônico de alfabetização. Resultados de pesquisas sobre o tema. A rota fonológica no desenvolvimento da leitura. Correspondência grafema-fonema. Consciência fonológica. 20
Música e letramento: uma proposta integrada para ambientes inclusivos Renata Franco Severo Fantini; Lilian Maria Carminato Conti; Ana Celia de Lima Viana, Mariana Barbosa Ament

- professores de educação infantil,

- professores de 1º ano

- educadores especiais

- alunos de licenciatura (pedagogia, educação especial, educação musical, etc.)

O curso pretende propiciar aos participantes experiências de discussões e práticas acerca das possibilidades que as atividades advindas do campo da educação musical, e atividades lúdicas oferecem ao desenvolvimento do letramento emergente para crianças com necessidades educativas especiais. Os encontros pretendem tornar mais acessível o contato com livros e estudos científicos na área, bem como demonstrar, por meio de atividades práticas, como as vivências musicais e lúdicas podem ser realizadas em ambientes inclusivos. 25
O papel da Psicologia com o Aluno com Deficiência Intelectual Aline Costa Fantinato; Ana Paula Pacheco Moraes Maturana  Alunos de graduação, psicólogos, pedagogos e demais interessados na área de Educação Especial.

- Introdução à deficiência intelectual e suas características;

-  Definições e avaliação do aluno com deficiência intelectual: enfoque funcional

- Caracterização das principais implicações das famílias de pessoas com deficiência intelectual;

- Modelos de programas de intervenção com família;

- Efetividade de programas de intervenção com família;

- Planejamento de Intervenções focadas na família;

- Modelos de programas de intervenção na escola.

20
Pais e mães com deficiência intelectual: um panorama dos estudos internacionais e brasileiros.
(CANCELADO)
Paula Hisa Paranaíba Goto e Ana Lúcia Rossito Aiello Profissionais e estudantes da área de educação e saúde. Apresentação de um breve histórico da deficiência intelectual, inclusão e direitos das pessoas com deficiência. Caracterização de pais e mães com deficiência intelectual e sua rede de apoio. Discussão sobre o impacto da deficiência intelectual dos pais e fatores relacionados nos cuidados e desenvolvimento dos filhos. Apresentação de propostas de intervenção com famílias e pais com deficiência intelectual. Análise da produção nacional e internacional a respeito de pais com deficiência intelectual. 35
PLANEJAMENTO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO: da elegibilidade de serviços ao planejamento de ensino-aprendizagem Gabriela Tannús-Valadão, Reah Smith

Profissionais/Estudantes que trabalham na Educação Especial (Educação e Saúde)

Familiares do estudante em situação de deficiência

História, definições e diferentes tipos do PEI no mundo.

Apresentar modelos de PEI nos países que possuem este artifício como legislação federal e discussão da situação brasileira em relação ao mesmo tema.

Apresentar os documentos legais e oficiais do Ministério da Educação (MEC) para subsidiar a discussão sobre a política da inclusão escolar e atendimento educacional especializado.

Apresentação de um modelo de PEI nos EUA onde possuem este artifício como legislação federal. (Via Web pela Avocate Reah Smith da Federation for Children with Special Needs - USA)

40

Práticas de ensino da Língua Portuguesa e da Matemática para alunos surdos

(ESGOTADO)

Djair Lázaro de Almeida; Norma Abreu e Lima Maciel de Lemos Vasconcelos; Luiz Renato Martins da Rocha; Katia Andreia Santos Pessoas interessadas na temática

Ensino da Língua Portuguesa no ensino fundamental

Conceituação e definição da surdez; breve histórico da surdez; ensino das operações básicas (soma, subtração, multiplicação e divisão) para alunos surdos; escrita numérica dos surdos e deficientes auditivos.

25

Práticas pedagógicas aplicadas a alunos com transtorno do espectro do autismo por meio da Comunicação Alternativa e da Música

(ESGOTADO)

Valéria Peres Asnis; Fabiana Lacerda Evaristo; Elaine de Carvalho Silva 

Estudantes da Graduação e Pós- Graduação em Educação, Educação Especial, Psicologia e Música. Profissionais das áreas de Educação, Educação Especial, Psicologia e Música. Demais interessados.

Direitos das pessoas com autismo

Repertório motor

Definição do autismo.

Diagnóstico do autismo.

Tratamento do autismo.

Definição e uso da comunicação alternativa

Definição e uso da música na educação especial

25

Produção de material didático para/com crianças público alvo da Educação Especial

(ESGOTADO)

Saimonton Tinôco da Silva; Edna Maria da Silva; Elaine Santana de Oliveira  Professores do Ensino Fundamental; alunos dos cursos de licenciatura; alunos da pós-graduação.  Produção de material didático no/para o Ensino Fundamental. Acessibilidade comunicacional: LIBRAS, audiodescrição, comunicação alternativa; Casos de ensino. 30
Programação do ensino de habilidades de acadêmicas básicas dos anos iniciais do Ensino Fundamental Jacqueline Pimentel Tenório; Lidia Maria Marson Postalli; Leonardo Brandão Marques. Acadêmicos e professores envolvidos com o ensino básico. O presente minicurso propõe apresentar e aplicar os conceitos da programação de ensino para a definição dos objetivos de ensino das habilidades acadêmicas básicas. Sendo assim, o minicurso tem por objetivo apresentar aos alunos os aspectos (como habilidades e competências) que devem ser pré-definidos e avaliados antes da elaboração de um procedimento de ensino, bem como fornecer embasamento teórico e prático para a elaboração das atividades que farão parte do procedimento. 30
Reflexões e orientações para agentes educacionais sobre políticas e práticas inclusivas Priscila Benitez; Eliane Mahl; Rosimeire Maria Orlando Zeppone Estudantes de licenciatura e pós-graduação, professores do ensino comum e especial, interessados em conhecer o processo de inclusão escolar, pautados nos entendimentos das políticas nacionais vigentes, bem como na busca de estratégias e práticas inclusivas.

O curso deverá abarcar uma discussão sobre a temática do processo de inclusão escolar, edificado nas políticas vigentes no âmbito nacional, cobrindo aspectos metodológicos, teóricos e práticos, com o propósito de criar condições para que os participantes possam refletir e programar intervenções na perspectiva da educação inclusiva.

Conteúdo programático: Os tópicos propostos são:

(1) Contextualização histórica e normativa do processo de inclusão escolar, a partir das políticas vigentes.

(2) O papel de cada agente educacional envolvido com o processo de inclusão escolar.

(3) Caracterização de intervenções programadas e implementadas no ensino regular, a partir da perspectiva da educação inclusiva, envolvendo os diversos agentes educacionais.

(4) Métodos utilizados em intervenções desenvolvidas com agentes educacionais, que vislumbram a perspectiva da educação inclusiva, no âmbito da escola regular.

(5) Resultados de intervenções para aprendizes com ou sem necessidades educacionais especiais.

(6) Atividade prática: programação de uma intervenção e apresentação da proposta de intervenção programada.

30
Síndrome de Usher: Considerações Iniciais Rita de Cássia Silveira Cambruzzi; Maria da Piedade Resende da Costa; Vanisse Cristina Bussolo Bertola  Profissionais que atuam em Educação Especial e da Rede de Ensino

* Identificação

* Limitações e possibilidades

30
Técnicas para Ensino do Ouvir e do Falar com Compreensão (CANCELADO) Paulo Augusto Costa Chereguini Estudantes de graduação em psicologia, educação especial e áreas afins. Profissionais interessados. Ao final do minicurso os alunos estarão aptos a discutir questões conceituais e metodológicas básicas relacionadas ao ensino de nomeação para indivíduos com atraso no desenvolvimento da linguagem. 60

Tradução e Interpretação de Libras / Língua Portuguesa: técnicas e práticas de atuação.

(ESGOTADO)

Lara Ferreira dos Santos e Mariana de Lima Isaac Leandro Campos Professores, Tradutores-Intérpretes de Libras, alunos de graduação e/ou pós-graduação e demais interessados que tenham proficiência em Libras (Língua Brasileira de Sinais) e noções de tradução/interpretação Conceitos de Tradução e Interpretação. Subsídios teórico-práticos relativos à atuação do profissional intérprete junto à comunidade surda, as diferentes práticas e papéis do profissional em cada esfera de atividade. Técnicas e atividades práticas de tradução e interpretação da Libras para a Língua portuguesa e vice-versa. 20
Transtornos Emocionais e do Comportamento: características e perspectiva de trabalho na área da Educação Especial. Bruna Lidia Taño; João Henrique Da Silva; Juliana Archiza Yamashiro; Vanessa Cristina Angelotti. Professores da educação básica, coordenadores, diretores, alunos da graduação, alunos da pós-graduação, pesquisadores. No primeiro tópico, abordam-se os aspectos normativos da Educação Especial brasileira para os estudantes com transtornos emocionais/de comportamento e os distúrbios de conduta que, na verdade, não são público-alvo dessa modalidade. No segundo tópico, discutem-se os transtornos emocionais e de comportamento quanto as suas características, causas e prevenção, diagnóstico/avaliação e relação com a Educação Especial. No terceiro tópico, descreve sobre os distúrbios de conduta, uma vez que ele faz parte dos transtornos emocionais e de comportamento, mas possui sua especificidade.  Por último, apresenta outros tipos de transtornos emocionais quanto aos seus sintomas, apoios e diferenciações. 40

Uso da Tecnologia Assistiva e Recursos de acessibilidade ao computador na Educação Especial

(ESGOTADO)

Adriana Garcia Gonçalves; Mariana Gurian Manzini; Tássia Lopes de Azevedo; David Calheiros Graduandos de educação especial, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia, pedagogia, fisioterapia e profissionais da área da educação, educação especial e da saúde. O público alvo da educação especial pode apresentar limitações no seu desenvolvimento neuropsicomotor, sensorial, comunicativo e cognitivo. A literatura mostra a extrema relevância do uso de Tecnologia Assistiva e dos recursos de acessibilidade ao computador pelos profissionais da área da educação e da saúde junto a pessoas com necessidades educacionais. Esses recursos ampliam as diferentes possibilidades das crianças, jovens e adultos no processo da inclusão escolar e social. Dessa forma, os profissionais devem ser aptos à prescrever, selecionar, elaborar, confeccionar, implementar, avaliar e utilizar os recursos proporcionar oportunidades e possibilidades de ensino e aprendizagem. 20
Vivências em Esportes Adaptados e Paralímpicos Jalusa Andréia Storch; Aline Miranda Strapasson; Gabriela Simone Harnisch; Anne Caroline Duarte  Professores e alunos de Educação Física, Fisioterapia, Educação Especial, Terapia Ocupacional, Pedagogia e interessados em geral. Histórico e evolução dos esportes adaptados e paralimpíadas: caracterização, aplicação, regulamentação e benefícios aos participantes / atletas. Diferenciação terminológica de esportes adaptados e esportes paralímpicos. Aspectos metodológicos do ensino dos esportes adaptados e paralímpicos na iniciação – especialização – alto rendimento. dos esportes adaptados. Modalidades paralímpicas de verão (atletismo, tiro com arco, bocha, paracanoagem, ciclismo, hipismo, futebol de 5, futebol de 7, goalball, judô, halterofilismo, remo, vela, tiro, vôlei sentado, natação, tênis de mesa, triatlo, basquete em cadeira de rodas, esgrima em cadeira de rodas, rúgbi em cadeira de rodas e tênis em cadeira de rodas). Esportes adaptados (handebol em cadeira de rodas e parabadminton). Ações voltadas para as Paralimpíadas de 2016. 25